Jesus: Deus Conosco


Ninguém em toda história recebeu tantos nomes ou títulos como Jesus Cristo. É possível encontrarmos na Bíblia mais de cem deles. Em Isaías 6:6, por exemplo, ele é mencionado profeticamente como “Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”, além de tantos outros títulos em toda a Bíblia. Todos carregam um profundo significado quanto ao seu caráter, natureza e missão. Mas há um nome que recebe destaque na Bíblia: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco)” (Mt 1:23). Esse nome estava previsto em uma profecia a 700 anos antes do seu nascimento: “Portanto, o Senhor mesmo vos dará sinal: eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho e lhe chamará Emanuel” (Is 7:14).

Em que sentido Jesus é chamado de “Deus conosco” se Deus, o Pai, sempre foi presente na história humana, como confirmou o profeta Jeremias (23:23-24)? De fato, Deus sempre foi presente entre o seu povo, porém, o nascimento de Jesus teve um significado totalmente novo. Ele manifestou a verdade de que Jesus deveria ser chamado de “Deus conosco” porque ele é Deus, da mesma natureza do Pai! Foi isso que João testemunhou: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (Jo 1:1). A verdadeira mensagem do Natal testifica a verdade de que a segunda Pessoa da Trindade, o Filho unigênito do Pai, a Palavra eterna por meio da qual todas as coisas foram chamadas à existência, é completamente humano, completamente divino. É Deus entre os homens, “cheio de graça e de verdade” (Jo 1:14).

Por que precisamos de Jesus, o Emanuel (“Deus conosco”)? Em Isaías 59:1-2 lemos: “Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem surdo o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça”. A Bíblia confirma irrecusavelmente que todo homem é culpado diante de Deus (Sl 14:2-4; Rm 3:23, 5:12; Tg 2:10; 1 Jo 1:8), e por isso está condenado ao destino sombrio da dor e da separação de Deus. Justamente por essa razão, o homem precisa do “Deus conosco” para resgatá-lo, pois sozinho, entregue aos seus esforços ou merecimentos, é impossível experimentar o perdão libertador desse estado de condenação.

Todos nós precisamos do “Deus conosco”, Jesus Cristo, o Emanuel, porque somente ele pode desatar os nós que nos prendem no pecado, sendo ele totalmente inocente diante de Deus. Somente ele, portanto, pode derrubar a parede que nos separa de Deus. Foi exatamente por isso que Deus, cheio de amor, enviou o seu Filho o qual se fez presente entre os homens num sentido mais profundo e amplo, com a missão de cancelar a penalidade do pecado, parar a corrupção e fazer novas todas as coisas. Assim, ele veio “nascido de mulher, nascido sob a lei” (Gl 4:4).

O seu amor foi grande por seu povo, a tal ponto que deixou a sua glória e se fez presente entre nós, assumindo a condição de servo obediente para pagar com o seu sacrifício na cruz a nossa dívida e salvar-nos dos efeitos eternos do pecado. Nesse sentido “Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo” (2 Co 5:19).

Como somos abençoados pelo fato de Jesus Cristo ser o Emanuel, o “Deus conosco”! Adore-o com todas as suas forças por seu nascimento e missão.


Com amor,
Ericson Martins
contato@brmail.info

Conheça a Editora Cristã:

0 comentários:

Vídeos

Loading...